Hache | Critica da série espanhola da Netflix

0
2354

A ficção espanhola está vivendo sua era de ouro graças a plataformas como a Netflix, que permitem que sejam vistas onde quer que você esteja. A recepção de séries como ‘ La casa de papel ‘ ou ‘ As Telefonistas ‘ levou a gigante do streaming a apostar na criação de muito mais conteúdo em espanhol original, Inserindo é claro, grandes nomes da Tv Espanhola. Desse modo, neste primeiro de novembro estreia ‘ Hache ‘.

A série foi criada por Verónica Fernández (roteirista de ‘ Diga-me como aconteceu ‘, ou ‘ Velvet Colecion’, entre outros) e estrelando Adriana Ugarte e Javier Rey . A direção fica por conta de Jorge Torregrossa e Fernando Trullols, a temporada tem 8 capítulos de 50 minutos.

Hache
Hache

O enredo de Hache

Situado no Barcelona dos anos 60, a série retrata o rosto menos amigável da cidade no boom socioeconômico do país. Helena (Adriana Ugarte), uma jovem mulher com filha e irmã, é forçada a se prostituir para sustentar sua família.

Uma noite, depois de uma briga, ele procura refúgio no Albatross. Esse é um clube de jazz que serve como cobertura para os negócios reais que enriquecem aqueles que frequentam o local: tráfico de heroína. A líder da rede, Malpica (Javier Rey), analisará a questão e fará dela uma penhor em seus negócios, sem contar que ela tem seus próprios planos.

Depois de assistir os primeiros episódios, pode-se dizer que a série começa a ser construída sobre fundamentos muito estudados ao oferecer ao espectador o que ele quer ver. Com isso, alguns personagens interessantes surgem, talvez mais secundários que os próprios protagonistas.

O que vemos na íntegra na série ?

A série mostra um enredo simples, mas eficaz, dentro de um gênero que foi um sucesso com outros exemplos de séries originais da Netflix, como ‘ Narcos ‘ ou adquiridos para distribuição internacional como ‘Fariña’, mesmo com seu protagonista e diretor.

Embora pareçam acidentais na maneira como seus personagens se relacionam, talvez sejam os motivos por trás das aparências que fazem com que a série seja, desde o início, interessante o suficiente para manter a atenção do espectador.

A priori, tem todos os ingredientes para ser uma série de traficantes de drogas já que atende aos requisitos. Uma rede internacional para introduzir heroína no país.Um inspetor policial interpretado por Eduardo Noriega com um passado que o atormenta.

Uma mulher que sucumbe à tentação de mudar radicalmente de vida sem pensar nas consequências. Um relacionamento tóxico e alguns personagens secundários. Entre os quais destacam-se Pep Ambròs e Marc Martínez.

Mas vale a pena assistir Hache ?

A série está empenhada em não filtrar a crueza de suas cenas, o quão desconfortável o espectador pode se sentir quando testemunha algo que, como seus personagens, não deveria ver.

Em ‘Hache’, ninguém está livre do pecado. Todos os seus personagens têm algo a esconder, segredos que, se vissem a luz, poderiam fazer com que perdessem tudo.

E talvez essa seja a maior força da série: você chega à trama se gosta dos tópicos de traficantes de drogas e relações tóxicas impossíveis e fica por causa do enigma de seus protagonistas.

Os dois pilares principais que apoiam a série são: Adriana Ugarte e Javier Rey. Isso graças à química que eles emitem entre eles, apesar de o relacionamento deles ser baseado na violência. Diante disso,é necessário assistir a série de forma passível e não começar a tentar romantizar um relacionamento, como vimos em vários filmes e séries.

No entanto, o bom aproveitamento da série é em função da concentração em assisti-lá.

O melhor: a complexidade de seus personagens.

O pior: uma trama explorada em excesso atualmente, como o tráfico de drogas.

Nota do editor: 3,5/5

Assista ao trailer:

Leia também:

+Beck voltará na 2° Temporada de “You”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here