Publicidade

Amor e Anarquia | Explicamos o final da série da Netflix

Publicidade

A nova aposta da Netflix, Amor e Anarquia, chegou ao catálogo conquistando os assinantes. No entanto, apesar dos poucos episódios que a série possui, acompanhamos uma trama envolvente. Pois bem, se você perdeu algum momento importante, aqui explicamos todo o final da série da Netflix.

O enredo de Amor e Anarquia

A série começa no primeiro dia de Sofie na editora, Lund & Lagerstedt. Ela esclarece aos funcionários durante a reunião que não está lá para despedir ninguém, mas para garantir que a publicação tenha uma transição perfeita para o digital.

É quando ela conhece Max, o muito mais jovem especialista em TI, que chega tarde à reunião, nervoso, e derrama seu refrigerante no diretor literário Friedrich Jagerstedt. Isso é o suficiente para deixar uma impressão, e deixa. Inicialmente, ela fica agitada por ele e até grita com ele quando sua perfuração prova ser uma distração excessiva.

Publicidade

Sofie tem um vício leve em pornografia, provavelmente resultado da pressão do trabalho e de um casamento nada perfeito. Max a pega se masturbando em seu escritório e tira uma foto.

Mais tarde, ele diz a ela que o apagará se ela o levar para almoçar. Timidamente, ela concorda. No restaurante fast-food, Max prontamente dá o telefone a ela. Ela apaga a foto, mas não retorna o telefone. Em vez disso, ela o desafia a fazer algo escandaloso no local de trabalho.

Depois que Max faz exatamente isso, ela devolve o telefone, junto com seu batom vermelho favorito. É assim que seu jogo começa. Quem tem o batom, ousa o outro a fazer algo ousado e picante.

Publicidade

Se cumprirem a tarefa, o batom troca de mãos, e a segunda pessoa pode ousar a primeira. Conforme a série avança, os desafios se tornam mais selvagens e loucos.

Entenda o final de Amor e Anarquia, nova série da Netflix
Entenda o final de Amor e Anarquia, nova série da Netflix

Entenda o final de Amor e Anarquia

A série tem vários pontos de trama, mas a showrunner Lisa Langseth (‘Hotell’) e seus escritores quase sem esforço dão a cada um deles um final satisfatório, mesmo que temporário. Um dos temas predominantes em ‘Amor e anarquia‘ é a luta perpétua contra um mundo em rápida mudança.

Publicidade

A editora quer permanecer relevante e está tentando ativamente tudo o que pode para sobreviver. Isso é um tanto dificultado pelo chefe de Sofie, Ronny, que é tão passivo e não confrontador que continua empurrando o que deveriam ser seus deveres para os outros.

Isso acaba se tornando bastante catastrófico no final de Amor e Anarquia. Com Sofie ausente e ele optando por permanecer em casa, Friedrich e a executiva de RP Denise Konar são forçados a fazer a apresentação para os executivos que representam o serviço de streaming que está comprando a Lund & Lagerstedt.

Previsivelmente, não vai bem. E mesmo quando Sofie aparece, de roupão e sentindo-se aliviada e feliz pela primeira vez em anos, não é o suficiente para salvar o negócio.

Friedrich está feliz, no entanto, pois acredita firmemente que o negócio teria mudado Lund & Lagerstedt irreconhecível. Quando parece que o futuro é bastante sombrio para a editora, Friedrich finalmente lê o manuscrito do jovem autor que continua deixando-os com um funcionário ou outro e imediatamente percebe seu incrível potencial.

As lutas de Sofie com sua saúde mental

Publicidade

Sofie tem uma relação muito complexa com o pai. O homem é um anarquista esquerdista convicto e provavelmente inspirou as crenças da juventude de sua filha. Durante a maior parte de sua vida, ele entrou e saiu de hospitais psiquiátricos, o que afetou seriamente seu relacionamento com a filha.

Além disso, isso a fez temer sua própria sanidade. Isso é enfatizado durante uma briga entre ela e Johan quando ele veementemente defende sua decisão de cortar todos os laços entre a família e Lars, afirmando que ele não quer que seus filhos tenham a mesma educação que sua mãe.

O que ele não consegue entender é que para Sofie e seus filhos, Lars, apesar de todos os seus problemas, é parte da família.

Visitando seu pai na instalação, Sofie finalmente descarrega anos de raiva reprimida e frustração nele. Ele graciosamente aceita seus defeitos, mas exorta-a a ser fiel a si mesma.

Ele a lembra de seu romance e de como ela se comparava a uma floresta nele. Essa conversa franca com seu pai inicia o processo de auto-liberação de Sofie. Ela começou a se curar de seu trauma de infância e agora tem que lidar com as decisões que tomou por causa delas.

A Escolha de Sofie

Ela provavelmente se casou com Johan porque ele é completamente o oposto de seu pai. Mas, desde então, sua individualidade tem morrido lentamente porque ela tem que atender a todos os desejos dele.

Conhecer Max, seu jogo e o eventual caso amoroso a rejuvenesceu e trouxe de volta seu senso de autoestima. Sofie se permite dar cada centímetro que Johan exige dela, até que descobre que não tem mais nada para dar. Ela concorda em ir para Londres com ele, deixando seu pai e seu trabalho para trás.

Durante um banho com outro casal, ela percebe a extensão da invasão pretendida e finalmente se rebela. Ela sai do banho, veste um roupão de banho e vai direto para o escritório. A temporada termina com Max perguntando a ela: “Então, o que acontece agora?” Ela responde: “Bem, não sei”.

Essa incerteza positiva é o que Langseth busca para seu protagonista desde o início. A história de Sofie agora está aberta a uma infinidade de possibilidades. Ela pode continuar a trabalhar na Lund & Lagerstedt e até começar a namorar Max formalmente.

Ou ela pode fazer algo completamente diferente. Este é um momento importante em sua vida. Livre da presença opressora e zombeteira de seu marido, o resto de sua vida está à sua frente.

E você ? Gostou do final de Amor e Anarquia ?

Certamente, você vai gostar:

>Amor e Anarquia 2ª Temporada | Tudo o que sabemos até agora
>Quem é Bjorn Mosten | Conheça o astro de ‘Amor e Anarquia’ da Netflix

Aliás, não deixe de acompanhar o Streamings Brasil. Afinal, aqui você não perde nada da Netflix.

Publicidade

Comentários
Carregando...