A Criatura: A verdade por trás da série da Netflix

O que serve de base para A criatura na Netflix?

- Publicidade -

A Criatura da Netflix é o novo drama turco que investiga a horrível exploração filosófica e moral de um ambicioso estudante de medicina. Logo, acompanhamos sua busca para derrotar a própria morte. Ziya, um jovem de Bursa, procura encontrar a cura para a epidemia de morte perpétua que sempre parece escapar até mesmo à medicina mais avançada.

- Publicidade -

Assim, A Criatura mostra que, quando ele conhece İhsan, um médico de Istambul, que ultrapassa a linha tênue entre o gênio e a loucura, marca o início de um experimento científico proibido que ameaça afetar a alma de ambos os cientistas.

Este drama se passa no cenário do período do Império Otomano e dá vida a uma antiga história sobre a situação de um herói contra sua própria arrogância. Com trajes, locações e temas apropriados à época, a série submerge o público em seu mundo e infunde em sua narrativa uma autenticidade que justapõe o gênero de ficção científica do programa.

Dessa forma, se o ambiente geral de A Criatura chamou sua atenção, você deve querer saber mais sobre suas origens. Pois bem, aqui estão algumas curiosidades sobre a série.

- Publicidade -

A Criatura é uma adaptação do Frankenstein de Mary Shelley

Embora A Criatura não seja baseado em uma história verdadeira, a série tem uma rica história de origem. Criado por Çağan Irmak, a série é uma adaptação de ‘Frankenstein’ de Mary Shelley, ambientado no período do Império Otomano na história de Tukey.

- Publicidade -

Publicidade

Assim, Irmak utiliza uma peça clássica da literatura para trazer uma história familiar ao seu público através das novas lentes da cultura turca. ‘Frankenstein’ ou ‘O Prometeu Moderno’, como também é referido, muitas vezes considerado a primeira obra de ficção científica.

Com isso, permanece firmemente cimentado na sua ficcionalidade. O romance de Shelley de 1818 segue a história de Victor Frankenstein enquanto ele cria um ser a partir de partes de corpos mortos. Mas, apenas para acabar assombrado por sua própria criação.

A ideia que origina em A Criatura autora Shelley em 1816, em Genebra, quando o mau tempo a prendeu dentro de casa com seus companheiros, o marido Percy Shelley, o infame poeta Lord Byron e seu médico John Polidori.

- Publicidade -

Por sugestão de Byron, o grupo decidiu escrever suas próprias histórias de terror para passar o tempo. Embora inicialmente Shelley tenha enfrentado alguma dificuldade em criar uma fábula adequadamente grotesca e arrepiante, quando a inspiração finalmente a atingiu, ela teve grande sucesso.

Na introdução adicional de seu autor de 1831, Shelley escreveu:

“Eu vi – com os olhos fechados, mas com visão mental aguçada – vi o pálido estudante de artes profanas ajoelhado ao lado da coisa que ele havia montado”.

- Publicidade -

Assim nasceu a história de Frankenstein e sua criatura.

Como a série moldou a história

O encontro da autora com diversas tragédias em sua vida provavelmente moldou esta história no clássico atemporal que é hoje. A mãe de Shelley morreu logo após o nascimento do autor devido a uma infecção contraída durante o parto.

- Publicidade -

A trágica separação entre mãe e filho logo ecoou na vida de Shelley, quando a autora deu à luz cinco filhos e perdeu quatro antes que pudessem atingir a idade adulta. Portanto, as experiências horríveis que inspiraram A Criatura com a devastação na criação provavelmente abriram caminho para a narrativa envolvente de sua obra.

A história de A Criatura na Netflix
Imagem: Divulgação/Netflix

Ao longo dos anos, o trabalho de Shelley passou por inúmeras adaptações, garantindo à sua terrível criatura um lugar entre os monstros mais icônicos. No entanto, com o passar do tempo, a criatura do autor sofreu uma certa bastardização, desviando-o do seu eu intelectual original, mas moralmente perturbador, para uma monstruosidade desajeitada na cultura pop.

Em contraste, Irmak se esforça para trazer a realidade original da criatura de Frankenstein para a tela, concentrando-se no horror por trás “do efeito de qualquer esforço humano para zombar do estupendo mecanismo do Criador do mundo”, como a própria Shelley disse.

Como tal, a mostra acaba retendo os temas e ideias filosóficas da obra de Shelley, o que ressoa profundamente com a condição humana. Então, você já assistiu A Criatura na Netflix?

Certamente, você também vai gostar:

Suits: 6 Formas do derivado da série acontecer